BAIXA ESTATURA PRECOCE A MENARCA É UM MARCO NA VIDA DE UMA MULHER, POIS DENOTA O INÍCIO DA CAPACIDADE REPRODUTIVA. OS DESENVOLVIMENTOS RECENTES E OS CONHECIMENTOS ATUAIS NA NEUROENDOCRINOLOGIA DO SURGIMENTO PUBERAL E OS FATORES GENÉTICOS E AMBIENTAIS QUE INFLUENCIAM A IDADE MENARQUEAL.

agende-consulta-atualizadaCRESCIMENTO E BAIXA ESTATURA PRECOCE EM CRIANÇAS, INFANTIL, JUVENIL E ADOLESCENTES E IMPLICAÇÕES NO CLIMATÉRIO E MENOPAUSA
TAMBÉM REVISAMOS AS IMPLICAÇÕES DA IDADE MENARCA PRECOCE OU TARDIA NA VIDA DE UMA MULHER JOVEM. COM CERTEZA IRÁ INFLUENCIAR NA POSSÍVEL ANTECIPAÇÃO DO CLIMATÉRIO E MENOPAUSA QUANDO DA MENARCA PRECOCE.
Os marcos dos eventos puberais em meninas são o início da puberdade, a velocidade de pico de altura (PHV) e a menarca. O início da puberdade é marcado pelo desenvolvimento do tecido mamário, enquanto a velocidade de pico de altura (PHV) é a mais alta velocidade observada durante o surto ou estirão de crescimento puberal. O grande problema é que nessa fase o estirão ou surto é uma incógnita, em sendo assim pode ocorrer um aumento da estatura mais baixo do que o desejado, podendo inclusive ser inferior em se considerando os pais.
crianças

Se não for tomado uma atitude urgente, este fato pode levar a uma estatura final baixa e irreversível. A menarca é um evento bastante tardio na puberdade e geralmente ocorre 6 meses após a obtenção da velocidade de pico de altura (PHV). A idade em que ocorre a menarca varia e depende da interação entre fatores genéticos e ambientais, é claro, pode ocorrer fatores mutacionais. Considera-se que, durante o século XX, a melhoria dramática das condições socioeconômicas e da saúde geral das populações nos países industrializados resultou em um início mais precoce da puberdade em crianças. O marcador mais fiável das mudanças seculares positivas no desenvolvimento puberal foi a queda da idade na menarca.fadiga

Estima-se que durante a maior parte do século XX a idade da menarca tenha diminuído cerca de 3 meses por década, embora haja relatos de países industrializados de que ela esteja se estabilizando ou que mostre uma tendência ascendente. Quaisquer que sejam os fatores que influenciam a maturação puberal e a idade da menarca, eles se inter-relacionam e, portanto, o início da menarca não pode ser atribuído a um único fator.

sintomas meno

O objetivo deste relato é revisar a neuroendocrinologia do início puberal e os fatores genéticos e ambientais que influenciam a idade menarqueal e também as implicações da idade menarca precoce ou tardia na vida de uma jovem. Neuroendocrinologia da puberdade; o início da puberdade ocorre após a reativação do sistema secretor do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH), primeiro serão secretados os precursores dos hormônios sexuais, LH e FSH, (hormônio luteinizante responsável pela progesterona e o hormônio folículo estimulante, responsável pelo estrógeno e testosterona em ambos os sexos).

poa

A rede secretora de GnRH inicialmente se desenvolve e está temporariamente ativa durante a vida fetal e neonatal e a primeira infância, ou seja, durante os primeiros 6 meses de vida, a chamada ‘mini puberdade’. Esses primeiros períodos de ativação do GnRH podem ser importantes para masculinização ou feminização do cérebro. Na puberdade, a secreção pulsátil de GnRH e a subsequente secreção episódica de gonadotrofina hipofisária, necessária para o desenvolvimento e funções gonadais normais, são desencadeadas pela ativação do gerador de pulsos de GnRH.

cerebro

O gerador de pulsos de GnRH é composto por neurônios dispersos que estão distribuídos no núcleo arqueado do hipotálamo basal medial e na área pré-óptica na região rostral do hipotálamo. A secreção pulsátil de GnRH é dependente da ação coordenada dos neurônios de GnRH dispersos. Estes últimos são controlados por entradas trans-sinápticas, estimulatórias e inibitórias e glia-neuronais. Vários neuropeptídeos e neurotransmissores demonstraram ter um papel estimulatório (por exemplo, glutamato, noradrenalina) ou inibitório (por exemplo, ácido γ-aminobutírico-GABA, opiáceos endógenos, NPY) na regulação dos neurônios do GnRH). Os genes upstream envolvidos no controle transcricional desses componentes no momento da puberdade continuam a ser identificados. Recentemente, estabeleceu-se que os sinais glia-a-neurônios incluem o fator de crescimento transformador-α, a neuregulina e os insumos glutamatérgicos.

pulsa

Os receptores de GnRH são expressos nos neurônios do GnRH hipotalâmicos, sugerindo que o GnRH exerce uma ação autócrina. Estudos em sujeitos humanos com hipogonadismo hipogonadotrófico (HH) revelaram uma série de genes que são necessários para a função reprodutiva normal. Entre eles, o gene Kiss1, que produz a Kisspeptina, e seu receptor, o G Protein Coupled Receptor 54 (GPR54) ou o Kiss1r emergiram como atores-chave na regulação da reprodução. Neurônios que expressam Kiss1 são distribuídos dentro do hipotálamo predominantemente no núcleo infundibular e espalhados na área pré-óptica medial.

AVALIAÇÃO DA IDADE MENARQUEAL

avaliação menarca

Existem três métodos para avaliar a idade da menarca, a) o status quo, b) o recall ou retrospectiva, etc.) os métodos prospectivos.
No status quo, os dados referentes à idade menarquiana podem ser obtidos solicitando a uma menina (ou a seus pais) seu “estado atual”, ou seja, se ela teve sua primeira menstruação no momento da avaliação e sua data de nascimento.

↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos

No método do status quo, a amostra deve ser grande, representativa da população, e nos países desenvolvidos a faixa etária deve ser de 8 a 16 anos. Uma questão que surge é qual é a associação entre o tempo de início da puberdade e a menarca, em outras palavras, as meninas com puberdade precoce invariavelmente apresentam menarca em idade precoce e vice-versa?

Dados coletados de mulheres nascidas entre 1977 e 1979 mostraram apenas uma correlação moderada entre a menarca e o início da puberdade (0,37 a 0,38), enquanto em estudos anteriores conduzidos em mulheres nascidas entre 1920 e 1960, correlações muito mais altas (0,64-0,86) foram relatados.

Isso pode ser explicado por uma mudança no ritmo maturacional de meninas nascidas após a década de 1970.

O que se tem observado através das pesquisas é que o período entre a menarca e o aparecimento do climatério e menopausa os parâmetros são muito semelhantes, nessas condições pode ocorrer uma espécie de compensação, mas em sendo semelhantes os períodos de menarca, pode ocorrer um climatério e menopausa antecipado se considerado a precocidade da menarca e menopausa devido à complexidade desses mecanismos neuroendócrinos e genéticos.
Portanto, e muito difícil separar a evolução do organismo durante toda a existência de um ser humano.

↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

COMO SABER MAIS
1.Quais vitaminas são importantes para o crescimento na adolescência?
http://gorduravisceral.blogspot.com

2. A vitamina C aumenta a absorção de ferro?
http://crescersim.blogspot.com

3. Por que os adolescentes acabam consumindo maiores quantidades de alimentos calóricos nesta fase?
http://crescimentojuvenil.blogspot.com

Referências Bibliográficas:
Caio Jr., Dr. João Santos. Endocrinologista – Neuroendocrinologista e Dra. Caio, Henriqueta V. Endocrinologista – Medicina Interna, Van Der Häägen Brasil – São Paulo – Brasil; Menopause or climacteric, just a semantic discussion or has it clinical …
https://www.researchgate.net/…/256376982_Menopause_or_climacteric_just_a_semantic.
Risk factors for onset of menopausal symptoms: results from a large …
http://www.hal.inserm.fr/inserm-01148002/document
Menstrual fictions: languages of medicine and menstruation, c. 1850 …
http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/09612020000200260
Menopausal Hormone Replacement Therapy: Practice Essentials …
https://emedicine.medscape.com/article/276104-overview
Wikipedia

CONTATO:
Fones: 55(11) 2371-3337 / (11)9.8197-4706 – TIM
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com

Site Van Der Häägen Brazil
http://www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br

Joao Santos Caio Jr
http://google.com/+JoaoSantosCaioJr
google.com/+JoãoSantosCaioJrvdh
google.com/+VANDERHAAGENBRAZILvdh

Video
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos

Instagram
https://instagram.com/clinicascaio/

WordPress
http://crescimentodna.wordpress.com

Academia.edu
https://independent.academia.edu/JCaioJr

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie =UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t = h&z=17


https://www.googletagmanager.com/gtag/js?id=UA-116881643-6

window.dataLayer = window.dataLayer || [];
function gtag(){dataLayer.push(arguments);}
gtag(‘js’, new Date());

gtag(‘config’, ‘UA-116881643-6’);

Sobre vanderhaagenclinic

MEMBRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA MEMBRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES ACTIVE MEMBER OF THE NEW YORK ACADEMY OF SCIENCES – USA MEMBRO DA AMERICAN ASSOCIACION FOR THE ADVANCEMENT OF SCIENCE – WASHINGTON – DC – USA ADA – AMERICAN DIABETES ASSOCIATION – USA ASSESSOR CIENTÍFICO EXTERNO NOVARTIS LABORATORIES – BASILÉIA – SUÍÇA MEMBRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CLIMATÉRIO MEMBRO MASTER OF SOCIETY FOR ENDOCRINOLOGY – LONDON – UK HARVARD MEDICAL SCHOOL – BOSTON -USA – CONTINUOING EDUCATION COURSE JOSLIN MEDICAL CENTER – BOSTON – USA. COLÉGIO BRASILEIRO DE RADIOLOGIA – OSTEOPOROSE PESQUISADOR FASE 4 – LABORATÓRIO SANDOZ PESQUISADOR FASE 4 – PINDOLOL – LABORATÓRIO SANDOZ PESQUISADOR FASE 4 – FENIL PENTOL + BROMETO DE BENECTOMIO LABORATÓRIO BOEHRINGER INGELHEIM PESQUISADOR FASE 4 – CIPROTERON ACETAT – LABORATÓRIO SCHERING AG – COM PROFESSOR J.P.HAMERSTEIN – UNIVERSIDADE DE BERLIM – ALEMANHA PESQUISADOR FASE 3 – NATEGLINIDA – LABORATÓRIO NOVARTIS PESQUISADOR FASE 3 NATEGLINIDA +METFORMINA – LABORATÓRIO NOVARTIS/2002 – BASILÉIA – SUÍÇA MEMBRO DA AMERICAN CHEMICAL SOCIETY COLUMBUS,OH USA MEDICINA OCUPACIONAL MÉDICO DO TRABALHO DA GENERAL MOTORS DO BRASIL – SETOR DE MONTAGEM DE VEÍCULOS AUTOMOTORES – MVA – 1973/1976 MÉDICO DO TRABALHO RESPONSÁVEL PELO TRECHO 15 RODOVIA DOS IMIGRANTES – CAMARGO CORREIA MÉDICO DO TRABALHO RESPONSÁVEL PELO LABORATÓRIO COLLINS – 1976/1979 MÉDICO DO TRABALHO RESPONSÁVEL PELA METALÚRGICA VULCÃO – 1980 MÉDICO DO TRABALHO RESPONSÁVEL PELA ÁGUA SANITÁRIA SUPER GLOBO – 1986
Esse post foi publicado em CRESCIMENTO INFANTO JUVENIL. Bookmark o link permanente.